search

O MIRIM Brasil

quem somos

O MIRIM Brasil (Movimento Infantojuvenil de Reivindicação) é uma entidade sociopolítica, sem fins lucrativos e de direito privado, fundada em 15 dezembro de 1990, no Recife, região nordeste do Brasil. Defendemos e promovemos os direitos humanos, com foco na infância, adolescência e juventude, na cidade do Recife, no Estado de Pernambuco, no Brasil e no mundo.

o que queremos

O MIRIM tem como missão defender e promover os direitos fundamentais de crianças, adolescentes e jovens, no Brasil e no mundo, sem discriminação de raça, gênero, origem, condições de vida, credo religioso, ideologia política ou de qualquer outra índole.

Igualdade, solidariedade, justiça, democracia, participação popular, transparência, equidade de gênero, livre orientação sexual e paz são princípios e valores sob os quais o MIRIM atua. Isso porque queremos uma sociedade justa e irrestritamente inclusiva.

como atuamos

A base metodológica do MIRIM está na participação de crianças, adolescentes e jovens na tomada de decisão democrática e na autonomia da construção de suas identidades como agentes políticos de transformação social. Nosso projeto político-metodológico visa despertar o senso crítico e promover o diálogo, num processo de reflexão e construção coletiva.

As atividades cotidianas são realizadas para e com as diferentes partes envolvidas. Crianças e jovens participam da criação, desenvolvimento e avaliação dos projetos voltados para a efetivação dos seus direitos.

As comunidades, através das entidades representativas, propõem soluções estratégicas para enfrentar a situação de vulnerabilidade social e as violações de direito.

Todas as pessoas e grupos são motivados a participar de conselhos, fóruns, redes e campanhas, ampliando a participação da sociedade civil no espaço público e a efetivação da cidadania.

No intuito de globalizar os direitos das crianças, o MIRIM participa de conselhos de direitos, desenvolve ações em articulação com redes e fóruns e realiza programas e projetos com instituições públicas e privadas, nacionais e internacionais, em diversas atividades que reforçam o compromisso com a dignidade humana.

nossa história

Nossa identidade surge com a redemocratização do Brasil, no fim da década de 1980. O MIRIM Brasil participou de discussões e encontros que resultaram no ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente), promulgado em 13 de julho de 1990.

O ECA substituiu o Código de Menores (1979), legislação com resquício racista e classista, dirigida à população menor de 18 anos, pobre e majoritariamente negra. O ECA inseriu a visão de que todas as crianças e adolescentes devem estar sob proteção integral e são, portanto, cidadãos e cidadãs em desenvolvimento.

O MIRIM surgiu num momento histórico muito importante e estabeleceu como missão defender e promover os direitos de crianças e adolescentes. Dessa atuação resultou a preparação da Assembleia de Fundação, com a ideia de fundar uma organização para fortalecer a luta pelos direitos de crianças e adolescentes.

Em pouco meses, várias ações já estavam sendo realizadas junto a associações comunitárias, clubes de mães, grupo juvenis e culturais na Região Metropolitana do Recife, e também surgiram representantes do MIRIM nas cinco regiões do Brasil.

Em 1998, passamos a lutar também pelo reconhecimento legal das especificidades no desenvolvimento dos e das jovens. Realizamos projetos, participamos de diversos encontros, atuamos no Fórum Nacional de Movimentos e Organizações Juvenis (Fonajuves). Foram muitos passos para chegar até a aprovação do Estatuto da Juventude, lei nº 12.852, de 5 de agosto de 2013.

São quase três décadas de atuação na defesa e promoção dos direitos de crianças e adolescentes. Nesse caminho, o MIRIM construi sua história junto a centenas de pessoas, famílias e instituições, promovendo educação, cultura, esporte, lazer e acesso à justiça, além do fortalecimento do associativismo, com atuação local, nacional e internacional.

quem faz o Mirim

As pessoas que tornam real a luta do MIRIM Brasil são de grupos sociais diversos que se complementam em prol do bem-estar comum. Participam crianças, adolescentes, jovens e lideranças comunitárias, militantes e voluntários/as, profissionais e estudantes de diferentes áreas (administração, jornalismo, antropologia, comunicação, direito, enfermagem, economia, contabilidade, medicina, sociologia, pedagogia, psicologia, nutrição).

A estrutura legal, de acordo o Código Civil Brasileiro, está composta da seguinte forma:

Conselho diretor

Sylvia Siqueira Campos – presidenta

Nina Moura – vice-presidenta

Filipe Antônio de Araújo – tesoureiro

Vitor Gurgel – secretário-geral

Caetano Azevedo – vice-secretário

Conselho fiscal

Clarice Sobreira

Fabiana Maranhão

Luciano Arrais Andrade

Maria Luísa Lira

Thales Silva de Oliveira