O impossível não existe!

search

Cartas escritas por meninas do Recife são entregues a Malala

“Te admiro por ser uma mulher muito guerreira e por lutar pelos direitos das mulheres e pela igualdade entre todos nós”. Este é um trecho de uma cartinha que Franciely Taynanda, de 15 anos, escreveu e que foi entregue esta semana a prêmio Nobel da Paz Malala Yousafzai.

Além dela, outras cerca de 20 meninas, que fazem parte do projeto Pontinha de Futuro, no Alto Santa Isabel, zona norte do Recife, também redigiram mensagens com declarações e pedidos. As cartas foram entregues pessoalmente pela presidenta da ONG MIRIM Brasil, Sylvia Siqueira Campos, que está em Dubai, nos Emirados Árabes, onde se encontrou com a jovem paquistanesa.

Antes de escreverem as cartas, as meninas conheceram um pouco sobre a história de Malala e sua luta para que todas as meninas ao redor do mundo tenham acesso à educação gratuita e de qualidade.

“Gostei muito de o MIRIM ter vindo conversar com a gente, escutar nossa opinião sobre as coisas. Me senti grata por ter tido a oportunidade de escrever uma cartinha para Malala. Sei que muitas crianças queriam ter essa oportunidade e eu consegui ter”, conta Franciely.

“Encontrei com Malala e entreguei as cartas. Ela fez questão de ler uma a uma. Malala sabe o quão difícil que é a vida das meninas no Brasil. Após a leitura, comentou que o que mais achou interessante do que recebeu foi que, ainda que essas meninas estejam em uma periferia bastante massacrada pela falta de acesso a políticas sociais ou por um acesso a políticas sociais de baixa qualidade, elas não perderam a capacidade de sonhar. As meninas têm outras pessoas que as inspiram e Malala é uma delas”, afirma Sylvia.

Educação de meninas
A presidenta do MIRIM participa esta semana do encontro anual da Rede Gulmakai, iniciativa do Fundo Malala para fortalecer a defesa da educação de meninas em todo o mundo. Em julho do ano passado, Sylvia foi escolhida para ser uma das três brasileiras participantes da rede. O evento anual tem o intuito de fortalecer a atuação da rede como voz ativa, tanto no âmbito internacional quanto nos países, em defesa do direito à educação de meninas.

No fim da semana, ainda em Dubai, Sylvia vai participar do Fórum Global sobre Educação. O evento reúne líderes mundiais dos setores público, privado e social em busca de soluções para alcançar educação, equidade e emprego para todos e todas. Durante o fórum, ela fará uma apresentação sobre a importância da sociedade civil organizada no desenho e monitoramento da implementação de políticas públicas na área de educação.